Teste da Orelhinha

Teste da orelhinha - Emissões Otoacústicas

VOCÊ SABIA QUE SEU BEBÊ JÁ OUVE E QUE SUA AUDIÇãO PODE SER AVALIADA?
- O órgão auditivo está formado a partir do 5º mês de gestação e desenvolve-se intensamente nos primeiros meses de vida. Ouvir é fundamental para o desenvolvimento da fala e da linguagem. Qualquer problema auditivo deve ser detectado ao nascimento, para que seja devidamente tratado e não venha prejudicar o bom desenvolvimento da criança.

INCIDÊNCIA DO PROBLEMA AUDITIVO

Qualquer recém-nascido pode apresentar um problema auditivo ao nascimento ou adquirí-lo nos primeiros anos de vida. Isso pode ocorrer mesmo que não haja caso de surdez na família ou fatores de risco aparentes.

Estatísticas indicam que em cada 1.000 recém-nascidos que não apresentam risco nenhum ao nascimento, 3 apresentam algum tipo de perda auditiva (Joint Committee on Infant Hearing). Se o recém-nascido apresentar algum risco como prematuridade, baixo peso, etc esta incidência é ainda maior (cerca de 1 para cada 100 nascidos). Esta incidência é alta quando comparada com outros testes de Triagem Neonatal: Fenilcetonúria 1 em 10.000, Hipotireoidismo 2,5 em 10.000 e Anemia Falciforme 2 em 10.000 nascimentos (todos estes exames são realizados no exame do pezinho).

A triagem auditiva é feita inicialmente através do exame de Emissões Otoacústicas Evocadas. O exame é feito durante o período de internação em sono natural, de preferência no 2º ou 3º dia de vida. A duração é de aproximadamente 5 a 10 minutos, não apresenta contra-indicação, não incomoda e não acorda o bebê. Não exige nenhum tipo de intervenção invasiva, é absolutamente inócuo.

O que é o teste de EMISSÕES OTOACÚSTICAS? É um método para identificação de perda auditiva em neonatos. Emissões Otoacústicas são sons provenientes da cocléa, órgão sensorial responsável pela audição, após a apresentação de um estímulo sonoro. O método não tem como objetivo quantificar a deficiência auditiva, porém detecta a sua ocorrência, visto que as emissões otoacústicas estão presentes em todas as orelhas funcionalmente normais. Elas deixam de ser observadas quando os limiares auditivos se encontram acima de 30 dBNA, ou seja, quando existe qualquer alteração auditiva.

A falha no primeiro exame (emissões otoacústicas) pode demonstrar que a criança apresenta perda auditiva ou está com o ouvido obstruído. No recém-nascido a obstrução é comum e é causada por vérnix (substância gordurosa que envolve todo o corpo do recém-nascido ao nascimento), portanto se ocorre falha no primeiro exame, realizamos um exame complementar: POTENCIAIS EVOCADOS DE TRONCO ENCEFÁLICO AUTOMÁTICO.

O que são os POTENCIAIS EVOCADOS DE TRONCO ENCEFÁLICO? São potenciais cerebrais captados após estimulação acústica. Como a resposta captada é proveniente da atividade cerebral dificilmente fica ausente quando a alteração no primeiro teste é exclusivamente causada por obstrução.
A Maternidade de Campinas também realiza todo o diagnóstico e acompanhamento audiológico necessários se a perda auditiva for confirmada. Dispomos de equipamentos de última geração para diagnóstico auditivo em recém-nascidos e adultos.

- Bebês com perda auditiva diagnosticada ao nascimento e com tratamento iniciado até os 6 meses de idade apresentam desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte.  O diagnóstico após os 6 meses de idade traz prejuízos inaceitáveis ao desenvolvimento da criança e sua relação com a família.

O teste da orelhinha é lei federal: Faça valer o seu direito!!!

Fonte: Gatanu
(Grupo de Apoio à Triagem Auditiva Neonatal Universal-Brasil)
Site: www.gatanu.org

Depto. Otorrinolaringologia da Maternidade de Campinas.
E-mail: orelhinha@maternidadedecampinas.com.br
Fone.:(19) 3306-6038